"Que te devolvam a alma homem do nosso tempo. Pede isso a Deus ou às coisas que acreditas: à terra, às águas, à noite desmedida. Uiva se quiseres, ao teu próprio ventre se é ele quem comanda a tua vida, não importa... Pede à mulher, àquela que foi noiva, à que se fez amiga. Abre a tua boca, ulula, pede à chuva. Ruge como se tivesses no peito uma enorme ferida, escancara a tua boca, regouga: A ALMA. A ALMA DE VOLTA." (Hilda Hilst)

22/11/2008

"Qualquer amor já é um pouquinho de saúde"...




Numa tarde de maio, após descascar uma laranja e comê-la, percebi que entre as cascas havia uma em forma de coração...











...e fotografei-a, face e dorso de um símbolo vivo, muito bem-vindo em minha vida!


O coração é um dos símbolos de Oxum, a Orixá das águas doces, do amor e da beleza...

"Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura"
(Guimarães Rosa)

"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor.
Que tem que ser vivido até a última gota.
Sem nenhum medo. Não mata."
(Clarice Lispector)

"O encontro amoroso desperta em nós forças que já eram nossas, mas que até então desconhecíamos. Na relação essas forças encontram um território para se afirmar e se expandir. O amor é o processo de construção desse território. Ele é uma oportunidade para intensificarmos nossa potência vital. No fundo, o amor verdadeiro é o amor pela vida em sua riqueza de invenção e transformação. Por isso quando ele acontece nos lança numa espécie de graça"
(Suely Rolnik)

"Se é verdade que um grande amor não se esquece é porque o outro fica gravado em nosso corpo através das potências vitais que ajudou a despertar. É assim que um antigo amor pode permanecer vivo em nós."
estendidos na mais estreita cama,
que se torna a mais larga e mais relvosa,
roçando, em cada poro, o céu do corpo.
É isto, amor: o ganho não previsto,
o prêmio subterrâneo e coruscante,
leitura de relâmpago cifrado,
que, decifrado, nada mais existe
valendo a pena e o preço do terrestre,
salvo o minuto de ouro no relógio
minúsculo, vibrando no crepúsculo.
Amor é o que se aprende no limite,
depois de se arquivar toda a ciência
herdada, ouvida. Amor começa tarde."
(Carlos Drummond de Andrade)

18/11/2008

"A gente sempre deve sair à rua... de alma aberta e coração cantando!"


"A gente sempre deve sair à rua como que foge de casa,
Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali...
Chegamos de muito longe de alma aberta e coração cantando!"

(Mário Quintana)

Feliz!!!


















Que grande prazer participar de mais um congresso de Arteterapia!!! Que grande alegria encontrar e reencontrar pessoas que, assim como eu, se dedicam com coração e alma a esse trabalho tão lindo, prazeroso e gratificante que é colorir o mundo com as “cores da vida” (como tão bem coloca Ana Cláudia Valladares, queridíssima amiga arteterapeuta, ao batizar a revista de Arteterapia da qual faço parte do conselho editorial)...
Além de rever pessoas por quem tenho grande carinho, respeito e apreço, que conheci nos congressos passados, conheci pessoas muito queridas e especiais!
Me sinto muito grata à todos que estiveram nesse congresso pelo carinho e interesse com que receberam o meu livro – vendi todos os que levei!!! – e as minhas apresentações.
E que cidades lindas e aconchegantes são Canela (onde o congresso aconteceu) e Gramado... flores por toda parte! Só resta parabenizar as pessoas que organizaram esse Congresso, foi tudo muito agradável, muito harmonioso... E para finalizar com chave de ouro a minha estadia lá, antes de vir embora visitei um lindo templo budista, quanta sabedoria naquele lugar tão sagrado, tão convidativo ao mergulho nesse imenso mar que é a nossa alma!!!

10/11/2008

Nasceu!!!


Não poderia esperar para compartilhar com vocês a minha alegria pelo nascimento do meu primeiro livro "solo": A Prática da Arteterapia - correlações entre temas e recursos, vol I - Temas centrais em Arteterapia, de uma coleção que em breve dará outros lindos frutos para serem compartilhados com quem, como eu, é apaixonado(a) por essa área tão nova e tão promissora, que espalha amorosamente pelos campos onde é praticada sementes de um mundo mais humano, saudável e colorido: a Arteterapia!!! Estarei lançando-o no VIII Congresso Nacional em Arteterapia, em Canela, e assim que voltar do Congresso prepararei o seu lançamento aqui em São Paulo, aguardem, quero abraçar cada um de vocês nesse dia!
Amanhã viajo prá Canela com a mala cheia de sonhos que já germinaram em uma prática linda, colorida, e tão necessária ao mundo atual, traduzida nesse livro que será em breve sucedido por outro que está no forno da editora Casa do Psicólogo (eles me disseram que será lançado antes do começo do ano letivo): Arteterapia e Mitologia Criativa: orquestrando limiares - fundamentos, alcance e aplicações dos diferentes recursos arteterapêuticos.

06/11/2008

Auto-retrato

O que eu eu abro, eu fecho;
o que eu começo, eu acabo;
as sementes que eu planto, eu rego,
e o que eu não quero mais, porque não me faz mais bem, eu arranco pela raiz.

O fogo que eu ateio, eu alimento;
a minha cria, eu lambo,
e quando os filhotes crescem e estão prontos para a vida, eu os empurro para o mundo, eu os libero...

É assim que eu expresso a Força;
é assim que eu expando o Amor;
é assim que eu reverencio a Vida.

(minha autoria, 1999)


Beija-flor


Onde a Terra e o Céu se encontram
o beija-flor faz o seu ninho.
Possa ele trazer-nos o vinho
que nos elevará, em êxtase,
ao néctar da inteireza
ao coração do Criador...
(minha autoria, 1999)

05/11/2008

Absinto


Momentos mágicos dão colorido e sabor
ao divino êxtase gotejante do amor,
sorvido como néctar de uma taça repleta de mel e calor...
e ao que sinto, nomeio Absinto!
Que mulher é essa que ergue a sua taça aos céus
para enchê-la de luz e ofertá-la ao homem que ama?
Sem dúvida, poderia dizer-se que é a Anima...
(minha autoria, 2008)

Êxtase

Roço a tua pele com palavras sussurradas
E solto meus peixes em tuas águas...
Resgato assim o mar que me fez quente
E a capacidade de me deixar ser aninhada

Cola a tua barriga no meu ventre
Ondulando a ponte que nos une corpo e mente
Fecundando o tempo de ser, em êxtase,
Parte e todo, viajante e estrada

Prazer e dor de viver intensidades...
Como caber-se em um só peito
Diante do tremor de abrir-se em dois?

Desse sol transbordando noite adentro
Desdobrando-se em fogueiras, incendiando a lua
Que então mostra-se cheia, nua...
(Poema de minha autoria, 2001)


Florescência


Onde antes Hera*,
Nem sei bem quando
Num dia de outono, a sonhar primaveras,
Telúricas estrelas, que quedavam-se cansadas
De iluminar das alturas pontes e estradas,
Choveram-se então por muitas madrugadas,
Até que um dia – num dia de
verão
Rasgaram-se em brotos, vestindo-se de chão,
Explodiram-se em cores,
Alaranjantes azuis que pariram-se em horizontes...
Onde antes Hera – nem sei bem quando ou onde,
Estrelas cadentes, feitas sementes de amanhãs,
Transmutaram-se em
hojes repletos de flores!

(poema de minha autoria, 2001)

* Denise Maria Cordeiro, em seu oráculo: “Jardim Interior” (Ed Pensamento), fala sobre a Hera:

Originária da extremidade meridional da América do Sul e Austrália, onde é uma árvore que se sustenta por si só. Ao ser levada para o norte, a hera tornou-se uma planta rastejante enroscando-se nas árvores e muros. Insistindo em florescer durante o mês de novembro (inverno no hemisfério norte), mostra um forte apego ao seu antigo período de florescimento: o verão do hemisfério sul.
Sua mensagem é: viver do passado é perder o presente. Despeça-se do que passou, agradecendo a tudo o que serviu como aprendizado e crescimento. Agora olhe à sua frente e à sua volta. Use sua perseverança e força interior. A Natureza conspira a seu favor
.


04/11/2008

"Em busca do pote de ouro..."

Dia 29/10, na UNIP, foi lançado o livro: Espaços de criação em Psicologia: oficinas na prática, no qual escrevi o capítulo: Em busca do pote de ouro - trabalhando com contos e histórias em Oficinas de Criatividade.

Obrigada a todos que compartilharam, com sua presença ou com a sua mensagem, da alegria de mais um punhado de sementes espalhadas, na esperança que elas ajudem a semear um mundo mais humano, repleto de magia e encanto!

Semear...


"Sulcar a terra, semear,
duas mãos calejadas,
almas caiadas, raiz profunda,
semente fecunda.
Oh montanha verde
nascente de água, vida
do verde que sinto,
do verde que cheiro,
do cheiro que é verde!
(...)
Magma de povo solar,
cantarás um fado novo
quando o vulcão despertar.
Cantarás um fado novo."